Tenha Esperança!

Esses últimos dias ando bem corrida, Graças a Deus muito trabalho, ajudando muitas empresas a entenderem o cenário dos seus negócios no meio dessa crise mundial. Criando planos de estratégia para os clientes e também para a minha empresa. Cada um de nós temos uma expertise em uma área. Eu aprendo com o pessoal do RH em como nesse momento manter colaboradores motivados. Impressionante como até a resposta do bom dia da pessoa já nos diz como ela está e chama nossa atenção a cuidar dessa pessoa para que no decorrer do dia ela consiga se reerguer e voltar a esperança. Sou contadora e meu papel na visão de muitos, infelizmente, é que somos despachante do governo. Mas a realidade é que somos, contadores, gestores indiretos do negócio do cliente, psicólogos indiretos dos nossos clientes e colaboradores, médico das empresas! Não se sinta desesperançado nesse momento. Peça ajuda! Busque seu contador, e se no momento você não tiver esse suporte, pode me procurar, não como uma pessoa que você terá que contratar mas sim como um colega de negócios que deseja ver a sua empresa VIVA. Um abraço e fique firme!!! Kelly Nery CEO MEGGA...

Imposto de Renda Taxista e UBER

Os prestadores de serviço de transporte de passageiros tem um benefício na base de cálculo do IRPF, essa categoria tem uma isenção de 40% sobre os rendimentos tributáveis recebidos. Além desse benefício essa categoria também pode abater algumas despesas específicas da sua base de cálculo.   Para isso é necessário que o prestador de serviço preencha o livro caixa, preferencialmente com a assessoria de um contador, onde controle os valores recebidos e as despesas pagas guardando os comprovantes de tais despesas. As despesas que podem ser deduzidas da base de cálculo são: IPVA e taxas de licenciamento, combustível e gastos com manutenção e limpeza do veículo, gastos com o telefone e nos casos dos prestadores de serviço da UBER Brasil o valor pago de comissão também poderá ser abatida. Se você é prestador de serviço de transporte de passageiros e ainda tem dúvida sobre sua declaração de imposto de renda e não quer ter problemas entre em contato conosco....

Desconto em pagamento à vista

    Agora é Lei. Através da Medida provisória 764, que foi convertida na LEI 13.455 de 26 e junho de 2017, os empresários do setor de comércio e serviços podem conceder desconto ao consumidor mediante a forma de pagamento escolhido pelo mesmo. Mas é obrigatório que o varejista ou prestador de serviço informe em lugar visível os descontos que serão oferecidos no pagamento em dinheiro, ou parcelado no cartão de crédito.     LEI Nº 13.455, DE 26 DE JUNHO DE 2017 Dispõe sobre a diferenciação de preços de bens e serviços oferecidos ao público em função do prazo ou do instrumento de pagamento utilizado, e altera a Lei nº 10.962, de 11 de outubro de 2004. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Fica autorizada a diferenciação de preços de bens e serviços oferecidos ao público em função do prazo ou do instrumento de pagamento utilizado. Parágrafo único. É nula a cláusula contratual, estabelecida no âmbito de arranjos de pagamento ou de outros acordos para prestação de serviço de pagamento, que proíba ou restrinja a diferenciação de preços facultada no caput deste artigo. Art. 2º A Lei nº 10.962, de 11 de outubro de 2004, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 5º-A: “Art. 5º-A. O fornecedor deve informar, em local e formato visíveis ao consumidor, eventuais descontos oferecidos em função do prazo ou do instrumento de pagamento utilizado. Parágrafo único. Aplicam-se às infrações a este artigo as sanções previstas na Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990.” Art. 3º Esta Lei entra em...

Crédito Fiscal para empresas no Simples Nacional

Uma perniciosa combinação envolvendo a complexa legislação tributária brasileira e a falta de conhecimento dos pequenos empresários em relação aos impostos devidos têm feito surgir milhões em créditos que engordam a conta do Fisco, quando na verdade deveriam estar gerando fluxo de caixa para essas empresas. Se nas médias e grandes companhias essa realidade vem sendo arduamente combatida com base num planejamento tributário mais atento e em jurisprudências que avalizam a recuperação de créditos de impostos pagos a maior, o mesmo não se tem visto em relação às empresas do Simples Nacional. Não é difícil identificar os principais aspectos que levam a esse preocupante cenário. Com margens de lucro cada vez menores e a alta carga tributária que lhes acomete, muitos desses micro e pequenos empresários veem-se obrigados a optar por serviços que executem tão somente as obrigações fiscais, sem realizar uma análise mais apurada das transações. É comum, portanto, que tais empreendedores fiquem à mercê das enigmáticas regras por trás da substituição tributária e do regime monofásico do PIS/Cofins, bem como os direitos adquiridos em relação aos impostos pagos a maior. Em ambos os regimes há a antecipação do tributo devido pela cadeia inteira em uma única fase, que é a saída realizada pelo estabelecimento industrial. Sendo assim, quando se comercializa o bem produzido/importado, o produtor/importador recolhe PIS/Cofins e/ou ICMS majorado, pressupondo o que seria recolhido por toda cadeia até o consumidor final. Na substituição tributária, por exemplo, considerando a média do mercado, o Fisco determina quanto deve ser ajustado o valor para cálculo do tributo e, além do ICMS próprio da operação, cobra o chamado ICMS-ST para...

Serviços in company em contabilidade

A necessidade trazida pelo fisco eletrônico de tratar as informações contábeis, fiscais e trabalhistas diretamente na fonte, e não mais no escritório contábil, tem levado as empresas a buscarem soluções capazes de gerenciar todos esses dados de forma eficaz e em conformidade com as inúmeras exigências da Receita Federal. Uma das alternativas é a contratação do serviço in company – modalidade que prevê a ida de um funcionário ou equipe para dentro da organização para a resolução de inconsistências apontadas pela auditoria ou ajudar a sanar dúvidas e dificuldades do departamento tributário e fiscal. Diferentemente da consultoria contábil e auditoria, o serviço de contabilidade in company pressupõe um vínculo mais estreito com a contratante e um trabalho de imersão nas rotinas contábeis, na dinâmica de produção, amplo contato com os funcionários, diretoria e demais integrantes da contratante. Somado a tudo isso, é preciso que o profissional mantenha distanciamento suficiente para apontar falhas e dificuldades e ajudar a solucioná-las. O modelo in company é procurado principalmente por empresas de médio porte, já que as grandes têm departamentos contábeis bastante robustos, e as pequenas buscam serviços mais simplificados. Até existem aqueles que buscam esse modelo na expectativa de redução de custo da sua estrutura interna, mas isso não se aplica. Quem contrata o serviço de contabilidade in company está em busca da especialidade. A instalação de uma equipe qualificada e especializada dentro da organização aumenta a chance de resolução do problema com segurança. Entre os grandes empecilhos para que as organizações consigam, sozinhas, dar conta do grande número de obrigações, os especialistas apontam, ainda, a alta rotatividade de auxiliares em cargos técnicos e...
Tem alguma dúvida? Vamos conversar