A SONEGAÇÃO NA VISÃO DO EMPRESÁRIO

Quem nunca ouviu falar da omissão de informações ou o não pagamento de impostos como uma estratégia de sobrevivência? Desde que entramos no mundo empresarial, presenciamos essas ideias em reuniões formais ou em conversas de “boteco” sobre como não é possível manter uma empresa tendo o governo como sócio. Falando claramente, todas estas conversas nos levam apenas a uma só situação: a sonegação. Mas antes que você desista de ler acreditando que irei falar mais do mesmo, eu não vou. Para começar eu não sou contador, sou empresário. E assim como você, sei, por vivência – assistida e própria – que não é esse o caminho.   Existem muitos artigos que tratam das consequências legais desta prática e como a empresa, e em certas circunstâncias, os próprios empresários podem ser responsabilizados. Porém, este não é o objetivo deste texto. Escrevi esses parágrafos para tentar alertar os empresários e gestores de que a sonegação de impostos não pode ser usada como uma estratégia empresarial para a perpetuação do negócio. É preciso entender que essa manobra quando executada de forma sistemática, deve ser encarada, não como uma expertise, mas sim como um sinal de graves problemas de gestão.   Não é possível financiar uma operação por meio da sonegação. É muito comum no meio empresarial as reclamações contra a elevada carga tributária cobrada pelo Governo e o seu uso como muleta para justificar o não pagamento dos tributos. Realmente, temos um sistema fiscal complicado e injusto, que custa muito caro ao empresário. Imposto é um “mal” necessário em um jogo democrático. É a principal fonte de renda dos Governos para serem...
Tem alguma dúvida? Vamos conversar