Imposto de Renda Médicos Pessoa Física

Ao optar por atuar como profissional liberal, isto é, como autônomo, o médico deve emitir os recibos, obrigando-se, no entanto, a manter o livro caixa, obrigatório para quem, como pessoa física, recebe rendimentos também de pessoas físicas. O livro caixa torna-se a contabilidade do profissional médico, registrando todas as entradas e saídas de dinheiro, preferencialmente com a assessoria de um contador, mantendo os dados atualizados para a declaração de imposto de renda. Quais despesas são dedutíveis? Como médico pessoa física, o profissional só pode considerar como despesas profissionais as que forem relacionadas diretamente com sua atividade, autorizadas pela Receita Federal, como, por exemplo, aluguel, condomínio, pagamento de funcionários, energia elétrica, telefone, água e o material aplicado no exercício de sua profissão. O médico pessoa física, portanto, irá fazer a apuração do imposto de renda a pagar somando as receitas e subtraindo as despesas profissionais dedutíveis, chegando ao resultado do seu rendimento líquido, que é o valor usado para recolhimento do imposto de renda. Além do imposto de renda, o médico pessoa física também deve se preocupar com o registro anual do CRM — Conselho Regional de Medicina e as obrigações com a prefeitura, como alvará, por exemplo. Prestamos serviços contábeis para você Profissional da Área da Saúde, seja você pessoa Física (profissional autônomo) ou Pessoa Jurídica  (empresa). A maioria dos profissionais da área de saúde tem dúvidas sobre a real tributação incidente sobre a sua atividade como empresa para prestar serviços médicos para hospitais ou a abertura de clínica médica para tributar o seu rendimento como pessoa jurídica, pode ser vantagem em relação ao trabalho autônomo.  Consulte-nos teremos imenso prazer em lhe ajudar nesta...

Microempresas – Contabilidade em dia

Microempresas terão muita dificuldade em manter a contabilidade em dia e escapar das autuações do Fisco.   As autuações da Receita Federal aumentaram 39,7% no primeiro semestre de 2015 em comparação ao mesmo período do ano passado. Números divulgados pelo Fisco mostram que as dívidas dos contribuintes lançadas, referentes a impostos, multas e juros, chegaram a R$ 75,13 bilhões entre janeiro e junho. No mesmo período de 2014, o valor havia ficado em R$ 53,7 bilhões. Em todo o ano passado, somou R$ 150,5 bilhões e foi o segundo maior valor obtido pelo Fisco – maior apenas do que 2013 (R$ 190,1 bilhões). Se no segundo semestre as autuações aumentarem, como no ano passado, 2015 poderá bater um novo recorde. Recorde após recorde nas autuações apenas comprova que cada vez mais sonegar impostos intencionalmente ou por falta de conhecimento virou missão quase impossível. Omissão de rendimentos é um dos fatores mais comuns que levam à malha fina. A falta de esclarecimentos e de retificações na base de dados da Receita Federal pode resultar em autuações cujas multas variam entre 75% e 225% do valor do imposto. Segundo especialistas do grupo Skill, que mantém um blog sobre assuntos contábeis que interessam às micro e pequenas empresas, o crescimento das autuações relaciona-se, entre outros fatores, ao aumento no número de micro e pequenas empresas que solicitaram a adesão ao Simples (para empresas com faturamento anual até R$ 3,6 milhões), que subiu 125%, superando a marca de 10 milhões de empresas. Valeria Zotelli, advogada-sócia da área tributária do Miguel Neto Advogados, lembra que,desde a informatização introduzida pelo Sistema Público de Escrituração Digital (Sped),...

Contabilidade Simplificada

O que podemos dizer sobre contabilidade simplificada? Esse termo contabilidade simplificada foi mencionado no art. 27 da Lei complementar 123 de 2006 pela Receita Federal.  Isso deu margem para o empresário considerar que não seria necessário  prestar conta dos valores pagos e recebidos pela empresa. Sendo que em nenhum momento a Receita Federal divulgou o que seria uma contabilidade simplificada já que cabe ao Conselho Federal de Contabilidade fazê-lo. Então, através da Resolução 1115 de 14/12/2007 o Conselho Federal de Contabilidade definiu o que é uma contabilidade simplificada e estabeleceu critérios que precisam ser seguidos por todas as Microempresas para atender as exigências contábeis. Abaixo segue parte do texto da resolução: A permissão legal de adotar uma escrituração contábil simplificada não desobriga a microempresa e a empresa de pequeno porte a manter escrituração contábil uniforme dos seus atos e fatos administrativos que provocaram ou possam vir a provocar alteração do seu patrimônio. Demonstrações Contábeis A microempresa e a empresa de pequeno porte devem elaborar, ao final de cada exercício social, o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado, em conformidade com o estabelecido na NBC T 3.1, NBC T 3.2 e NBC T3.3. É facultada a elaboração da Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados, da Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido, da Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos e das Notas Explicativas, estabelecidas na NBC T 3.4, NBCT 3.5, NBCT 3.6 e NBC T 6.2. O Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado devem ser transcritos no Livro Diário, assinados por profissional de contabilidade legalmente habilitado e pelo empresário, conforme dispõe a NBC T 2, item 2.1.4. Entendemos...
Tem alguma dúvida? Vamos conversar