Nova Sistemática de Recolhimento do ICMS Interestadual

As novas regras são: O diferencial de alíquota será calculado sobre todas as operações de venda para consumidor final e contribuinte do ICMS; Empresas enquadradas no simples também deverão recolher o Imposto; A responsabilidade do recolhimento do imposto será atribuída da seguinte maneira: Destinatário, quando esse for contribuinte do imposto; Ao remetente, quando o destinatário não for contribuinte do ICMS. Prestadores de serviço de transporte devem considerar o Estado de destino, aquele onde tenha fim a prestação do serviço de transporte, sendo assim, se o Transporte iniciou-se no Estado de Goiás, passou por Minas Gerais e encerrou no estado de São Paulo, será considerado como estado de destino o estado de São Paulo. Caso a empresa tenha grandes movimentações em outros estados destinados ao consumidor final não contribuinte, é aconselhado que seja feita uma inscrição de substituto tributário nos estados de destino, possibilitando o pagamento através da apuração mensal, ou seja, será pago em uma única guia, este cadastro será efetuado de forma simplificada de acordo com a Cláusula terceira do Convênio ICMS 152 de 2015. O que muda para o dia a dia dos empresários com essa nova sistemática do ICMS Interestadual? A empresa deverá ter a informação se o seu cliente é contribuinte do ICMS ou consumidor final para definir a responsabilidade do recolhimento do imposto; Precisará ter uma maior integração com o contador para estar atualizado com as alíquotas internas de outros estados. Veja como a nova lei do ICMS impacta no processo de venda de uma empresa optante pelo Simples Nacional (fonte: Igor GAelzer) Antes de 2016: 1- Gerar a nota fiscal eletrônica. 2- Imprimir duas vias da nota fiscal. 3-...

Serviços in company em contabilidade

A necessidade trazida pelo fisco eletrônico de tratar as informações contábeis, fiscais e trabalhistas diretamente na fonte, e não mais no escritório contábil, tem levado as empresas a buscarem soluções capazes de gerenciar todos esses dados de forma eficaz e em conformidade com as inúmeras exigências da Receita Federal. Uma das alternativas é a contratação do serviço in company – modalidade que prevê a ida de um funcionário ou equipe para dentro da organização para a resolução de inconsistências apontadas pela auditoria ou ajudar a sanar dúvidas e dificuldades do departamento tributário e fiscal. Diferentemente da consultoria contábil e auditoria, o serviço de contabilidade in company pressupõe um vínculo mais estreito com a contratante e um trabalho de imersão nas rotinas contábeis, na dinâmica de produção, amplo contato com os funcionários, diretoria e demais integrantes da contratante. Somado a tudo isso, é preciso que o profissional mantenha distanciamento suficiente para apontar falhas e dificuldades e ajudar a solucioná-las. O modelo in company é procurado principalmente por empresas de médio porte, já que as grandes têm departamentos contábeis bastante robustos, e as pequenas buscam serviços mais simplificados. Até existem aqueles que buscam esse modelo na expectativa de redução de custo da sua estrutura interna, mas isso não se aplica. Quem contrata o serviço de contabilidade in company está em busca da especialidade. A instalação de uma equipe qualificada e especializada dentro da organização aumenta a chance de resolução do problema com segurança. Entre os grandes empecilhos para que as organizações consigam, sozinhas, dar conta do grande número de obrigações, os especialistas apontam, ainda, a alta rotatividade de auxiliares em cargos técnicos e...
Tem alguma dúvida? Vamos conversar